Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2007

Inaudita guerra no corpo da Maria

A manhã estava linda, o sol brilhava. A Maria e os amigos comentavam umas ideias divertidas sobre piadas que tinham trocado, no dia anterior, no “Messenger”: “LOL!”.

            -“Quando ele disse aquilo eu ia rebentando a rir!” – exclamava a Joana.

-“E viste a imagem que ele mandou?”- perguntou o João – “Estava mesmo engraçado!”

Naquela altura ia a passar um grupo de crianças pequenas, em fila indiana, cantarolando uma canção do jardim-escola. Vinham de uma visita de estudo ao Largo do Pelourinho. Todos olharam não querendo demonstrar a saudade e a ternura… Também já tinham feito o mesmo…

Uma garota de totós empinados soltou um grande espirro “Atchim!!!”. “Santinha!”- responderam todos numa risada.

 -“De santinha é que ela não deve ter nada com aquele ar travesso!”- opinou o Pedro.

 

Naquele momento ninguém se apercebeu do que aconteceu, mas a verdade é que uma “guerra” muito terrível estava para começar…

 

Assim, enquanto isso, “ eles” entravam sorrateiros, mas velozes, percorrendo todos os caminhos possíveis para poderem atingir o seu fim…

           

(…)

No fim da tarde, a Maria começou a sentir-se estranha…sentia-se deferente, esquisita…sem vontade de fazer nada, o corpo parecia moído e tudo a aborrecia.

-“Caramba! E eu que estava com tanta vontade ir com eles jantar à pizzaria. Agora só de pensar em comer fico com tonturas. Não percebo o que se está a passar comigo!”

           

(…)

“Eles” continuavam o seu caminho, cada vez mais convencidos que iam atingir facilmente o seu objectivo. Eis se não quando, surgem “outros” na sua frente. Os dois grupos olharam-se frente a frente.

 -“ Eh malta! Não há problema, não vêm que eles são dos nossos? “- perguntou o que parecia ser o chefe “deles”.

Mas ele estava enganado. O grupo que estava à sua frente estava com ar de “poucos amigos”. Para espanto dos invasores, o ataque foi implacável. Os anticorpos atacavam, sem piedade. Os vírus da varicela, que os confundiram, não sabiam que as vacinas são constituídas pelos próprios agentes da doença, obrigando o organismo a criar anticorpos da própria doença. Pois é! Por isso é que os vírus pensaram que os anticorpos eram seus amigos, mas enganaram-se!

 Nessa noite, a Maria dormiu com alguma agitação, mas de manhã sentia-se óptima. Nem se apercebera bem da luta que tinha havido dentro do seu corpo. A vacina, que tomou contrariada, respondera com rapidez e eficácia suficiente para a proteger da doença que a queria atacar

A vacina acabara de vencer.

A Maria nunca mais protestou sempre que chegava o dia da vacina…

 

 

 Mª Teresa Oliveira

 

 

publicado por Clube às 19:50
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Poemas de Dezembro

. Poema da Angela Marques

. Poema da Ana Matos

. Poema da Margarida Turiel

. Poema da Sara Gonçalves

. Poema da Andreia Gonçalve...

. Poema do Flávio Pereira

. Poema da Joana Martinho

. Poema da Carolina Guedes

. Poemas de Novembro

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.Links