Domingo, 3 de Dezembro de 2006

Verso, estrofe, rimas

Conceitos importantes

Verso: cada linha de um poema. Os versos são classificados de acordo com o número de sílabas poéticas que possuem: monossílabo, dissílabo, trissílabo, tetrassílabo, pentassílabo ou redondilha menor, hexassílabo, heptassílabo ou redondilha maior, octossílabo, eneassílabo , decassílabo, hendecassílabo, dodecassílabo ou alexandrino e verso bárbaro (verso com mais de doze sílabas poéticas).

     

Estrofe: agrupamento de versos. Elas podem ser classificadas quanto ao número de versos em: monóstico , dístico, terceto, quarteto ou quadra, quintilha , sextilha, septilha , oitava, nona, décima.   

  

Refrão ou estribilho: são versos que se repetem no final das estrofes.     

Ritmo: é a sucessão de sons fortes (sílabas tónicas ) e sons fracos (sílabas átonas), repetidos com intervalos regulares ou variados. Num texto em prosa, as pausas são dadas por sinais de pontuação; num poema, as pausas existem não necessariamente através dos sinais de pontuação. As pausas provocam melodia e o ritmo é determinado por elas e pela seqüência de sons.  

   

Metro: é a medida do verso.     

 

Metrificação é o estudo da medida: dos versos, é a contagem de sílabas poéticas.    

 

Encadeamento: quando um verso não finaliza juntamente com um segmento sintático,  ocorre o encadeamento ou enjambement, que é a continuação do sentido de um verso no verso seguinte.      

“E entra a saudade...Fiquei

como assombrado e sem voz!”

      (Teixeira de Pascoares)

Rima: rima é a semelhança de sons que ocorre no final dos versos, embora possa ocorrer também no meio do verso (rima interna)     

 

Verso branco: é o verso que não tem rima     

 

Classificação das rimas

a)      quanto às combinações:

Ø     rimas emparelhadas: AABB

Ø     rimas alternadas ou cruzadas: ABAB

Ø     rimas interpoladas ou opostas: ABBA

Ø     rimas mistas: apresentam outros tipos de combinações ABACD

 

b)      quanto ao acento tónico:

Ø      rimas agudas ou masculinas: rimam-se palavras oxítonas ou monossílabos tónicos

Ø      rimas graves ou femininas: rimam-se palavras paroxítonas

Ø      rimas exdrúxulas: rimam-se as proparoxítonas

 

c)      quanto à coincidência de sons:

Ø      rima perfeita, soante ou consoante: há correspondência completa de sons.

Tinha um berço pequenino

E uma criada velha com seu terço

Cresci de mais, como o destino!

Cresci de mais para o meu berço.   (José Régio)

 

Ø      rima imperfeita toante ou assoante: não há correspondência completa de sons.

Ó meu ódio, meu ódio majestoso

Meu ódio santo e puro e benfazejo

Unge-me a fonte com teu grande beijo,

Torna-me humilde e torna-me orgulhoso.   (Cruz e Sousa)

 

d)      quanto ao valor:

Ø      rima pobre; palavras de mesma classe gramatical

Ø      rima rica: classes gramaticais diferentes

Ø      rima rara: obtida entre palavras de poucas rimas possíveis (escura/urdidura)

Ø      rima preciosa: rimas artificiais, aparecem com pouca frequência (desposar-te / aparte)

Contagem das sílabas métrica

A contagem das sílabas gramaticais e das sílabas métricas não é

igual. As sílabas gramaticais, próprias da prosa, não são as

mesmas que as sílabas métricas, usadas nos poemas e, por vezes,

não coincidem. 

Por exemplo:

sílabas gramaticais:      Tí /mi /da /es/ pe/ ra/ a /bai /la /ri /na /
      

Nº de sílabas:           1   2    3     4    5   6   7     8    9    10  11 

Sílabas métricas: Tí /mi /da es /pe /ra a /bai/ la /ri / na
Nº de sílabas       1     2      3      4      5     6     7    8  

Como podemos observar, o número de sílabas métricas e gramaticais não coincidiu.
Chamamos a contagem das sílabas métricas escansão dos versos. Escandir os versos é indicar suas sílabas métricas e seus acentos.
 
As regras básicas para a contagem de sílabas métricas são: 

a) só contamos até a última sílaba tônica de um verso.


Exemplos: Na/ rea/li/da/de/, tris/te/ si/na, 
               No/ pal/co/ vão/ re/pre/sen/tar/


No primeiro verso, não conta a sílaba na, porque a última palavra do verso é paroxítona.
No segundo verso, contamos todas as sílabas, porque a última palavra do verso é oxítona. 

b) Elisão: quando em um verso uma palavra terminar por vogal átona e a palavra seguinte começar por vogal ou H (que não tem som, portanto não é fonema, mas uma simples letra) unem-se as duas sílabas numa só.


Exemplo: Da/ vi/da es/sa/ mes/ma/ ro/ti/na 

c) Crase: fusão de sois sons vocálicos iguais.
Exemplo: Tí/mi/da es/pe/ra a/ bai/la/ri/na

 
publicado por Clube às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Poemas de Dezembro

. Poema da Angela Marques

. Poema da Ana Matos

. Poema da Margarida Turiel

. Poema da Sara Gonçalves

. Poema da Andreia Gonçalve...

. Poema do Flávio Pereira

. Poema da Joana Martinho

. Poema da Carolina Guedes

. Poemas de Novembro

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.Links