Quinta-feira, 30 de Novembro de 2006

Poesiapontocom

11. É Inverno

 

Já sinto o frio…

Já sinto a chuva…

Já sinto o vento…

 

Sinto a poesia a chegar!

Tanto

para me inspirar …

 

No frio da rua,

no quente do lar

no meu refúgio

nas folhas das arvores

que caem sem parar.

 

Folhas de várias texturas,

texturas de várias cores,

cores de vários sabores,

sabores de vários cheiros,

cheiros deste Inverno.

 

Inverno de fantasia,

a neve é branca e fria.

Quente! A minha companhia.

 

No Inverno

o vento liberta a imaginação.

Basta prestar atenção,

não ter medo da emoção,

sentir coração!

 

O frio abraça,

aconchega,

acende a chama da fraternidade.

À volta da fogueira

comemoro a amizade.

 

Neste Inverno

No Inverno!

 

12. Sofrimento

 

Parada,

amarrada à janela …

 

Gotas tristes

caminham pelas vidraças …

Infâncias perdidas

no longe …

 

Vento assustado …

oiço o seu sofrimento…

 

Mas nada posso fazer

Se não ouvi-lo…

Se não senti-lo …

 

Agora o meu pensamento

está confuso.

Vejo tanta tristeza

com a certeza de ver

a vida a crescer …

 13. Tempo

 O tempo é passado

Presente

Futuro …

 

O tempo é livre

Sempre presente.

 

O tempo é chuva

É vento

É tormento …

 

O tempo destrói

Traz temporais

e trovões

e destruições

que abatem o cais.

 

Tempestade ruim

com granito

a partir de mim!

 

Tempo são horas

que vivi …

Tempo que sonhei

Tempo que estou sem ti!

 

 14. A chuva

 

A chuva faz-me lembrar o Outono,

trás a calma,

a tranquilidade …

 

As gotas caem do céu,

as pessoas agasalhadas,

cheias de frio,

o guarda-chuva aberto,

todo coberto…

 

A chuva, o vento

o frio, os trovões

os relâmpagos

frutos da natureza-mãe.

 

Chuva saudável, fantástica

para as árvores

para as plantas …

 

Oh! Como eu gosto de chapinhar

nas pocinhas de água

da água

com agua …

 

15. Quando te vi

 

Hoje quando te vi

O coração bateu desamparado

Quando me olhaste

Fiquei ali aparado …

 

Vivo para te ver

Vivo para te beijar

Apenas vivo

Para te amar.

 

Quando te vi

Encantei-me

Pelos teus olhos lindos

Apaixonei-me.

Tudo o que sinto por ti

Nunca vai ter fim!

 

16. sinto?

 

Um arrepio …

É o vento!

Frio, barulhento.

 

Corre veloz

sobre o manto de folhas

tristonhas e cansadas

que o Sol já dourou.

 

Um sorriso …

És tu!?

Estás sempre aqui,

ao pé de mim …

Acordas num instante incerto

Abrigas quem precisa de ti.

 

Melancolia? Alegria?

Que sinto?

 

Beijo de sentimentos plurais …

 

Porque o tempo, imperativo

Fala, cala …

Altivo

Meigo

Segreda-me ao ouvido

Segredos e medos

De ti, de mim …

 

Mágoa? Contentamento?

Que sinto?

 

Não sei!

É um tormento …

 

17. As árvores

 

As árvores batem, batem, batem

com tanta força que parecem

ondas do mar

a mergulhar …

 

Há quem diga que

demoram anos a nascer;

que em cada uma

mora um passarinho

muito pequenino …

 

No Inverno

os seus braços muito grandes

espreguiçam-se para o alto …

 

No Outono a tristeza invade-as,

perdem as suas folhas

ficam mais pobres

ficam mais sozinhas.

 

Quando as esquecemos

mandam-nos um sinal …

agitam-se

gritam

e uma folha entra pela

janela do meu quintal …

  

 

18.  A chuva

 

A chuva cai intensamente

Chove sem parar

Com esta chuvada toda

Ninguém pode brincar.

 

O vento sopra com força tal

Que as árvores não resistem

Correm, voam com o vendaval

Deixam que o vento as leve.

 

Chapéu-de-chuva devo trazer

Quando está a chover

Se não, ao chegar a casa

As orelhas já não hei-de ter.

 

Faça chuva, faça sol

À escola temos de ir

Para podermos aprender mais

Sobre aquilo que está para vir …

 

19. Outono

 

Neste dia tão chuvoso

Em casa apetece-me ficar

Mas não posso faltar às aulas

Se de castigo não quero ficar.

 

Eu não gosto deste tempo

Para mim, tem que ser verão

Levar com este vento

É uma grande insatisfação.

 

As árvores são vítimas

Vão ficar despidas

E as folhas coitadas

vão cair desnutridas.

 

O Outono é agradável

Mas prefiro o verão!

 

Não estou de acordo com as tempestades

Antes com as oportunidades

De um dia de verão …

Smiley emoticone msn lis un livre.gif

Para escrever é preciso ler ... Leiam! Mais

publicado por Clube às 20:01
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Sara Gonçalves a 2 de Dezembro de 2006 às 10:35
Incrível!!!!!
Os poemas estão espectaculares. Cada mês que passa, os trabalhos estão melhores.
Temos feito um bom trabalho. Qualquer dia podemos nós mesmos fazer um livro de poemas, e o título seria "A POESIA DO 8ºE".
Beijinhos

Comentar post

.pesquisar

 

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Poemas de Dezembro

. Poema da Angela Marques

. Poema da Ana Matos

. Poema da Margarida Turiel

. Poema da Sara Gonçalves

. Poema da Andreia Gonçalve...

. Poema do Flávio Pereira

. Poema da Joana Martinho

. Poema da Carolina Guedes

. Poemas de Novembro

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.Links