Domingo, 29 de Outubro de 2006

Classes de palavras: Os NOMES

Os nomes subclassificam-se em nomes próprios e nomes comuns.

Estes têm subclasses definidas pelas seguintes oposições:
   – nomes concretos e nomes abstra(c)tos: pedra/amor;
   – nomes contáveis e nomes não contáveis:pedra/ar;
   – nomes cole(c)tivos: multidão.
   
   A nova terminologia acrescenta que os nomes podem ainda ser classificados de acordo com as oposições:
   
   – animado/não animado: animal/porta;
   – humano/não humano: bebé/porta

Vejamos:

Rebanho é um nome coletivo e um nome comum.

É também um nome contável  (um rebanho/dois rebanhos).

Os nomes colectivos são tipicamente uma subclasse dos nomes comuns, pelo que se lhes aplica a distinção humano / não humano, bem como animado / não animado.

    Para saber se os nomes cole(c)tivos podem ser classificados como nomes concretos:
   • pensemos em nomes cole(c)tivos – bando, cardume, arquipélago, constelação, junta, pinhal, vinha, matilha, feixe, exército, elenco, cáfila, ninhada, pomar, rebanho, frota, magote, alcateia, olival, corja, chusma, caravana, malta, cacho, ... 
   • atendamos ao carácter físico, observável e localizável das entidades designadas por estes nomes: pessoas, animais, árvores, meios de transporte, astros, ilhas, ... 
    
   Concluímos, então, que os nomes cole(c)tivos apresentados são nomes concretos.

Cuidado com o género:

Masculino e feminino.

Um nome comum de dois géneros é um nome que tem dois valores de  possíveis, sendo que a escolha de um valor não tem consequências morfológicas (a palavra mantém-se inalterada independentemente do género), mas tem consequências sintácticas/sintáticas, pois este nome tem a capacidade de desencadear alterações morfológicas nas palavras que com ele concordam.
   Exemplos.: «o intérprete/a intérprete, o jurista/a jurista». 
   

Um nome sobrecomum não admite contrastes de género, nem marcados morfologicamente nem marcados sintacticamente/sintaticamente, apesar de referir entidades de um e outro sexo.

Exemplos.: «a pessoa, a criança, o indivíduo, o cônjuge, a testemunha, a estrela (de cinema)». 


Um nome epiceno designa animais e que possui apenas um género gramatical, embora possa referir animais de ambos os sexos. Exemplos: «a cobra, a águia, o jacaré, a onça, a foca». O género natural do animal a que um nome epiceno se refere pode ser resolvidpo  pela aposição de «macho» ou «fêmea» ao nome, sem concordância de género/género entre este e o elemento aposto: «uma cobra-macho, um gavião-fêmea». Por vezes, o termo «epiceno» é utilizado também para falar de nomes sobrecomuns.

 Os nomes epicenos e os sobrecomuns não têm as mesmas propriedades. Embora os dois tipos refiram nomes de entidades animadas, passíveis de distinção de sexo, os epicenos referem animais e admitem variação de género realizada por composição (cf. cobra-macho, cobra-fêmea) e os sobrecomuns referem entidades humanas e não admitem qualquer tipo de variação de género (cf. testemunha, cônjuge).

publicado por Clube às 19:00
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Sara Gonçalves a 31 de Outubro de 2006 às 21:24
Foi uma boa ideia ,ter incluido no nosso blog, a nova terminologia dos nomes, porque assim é mais fácil consultar esta matéria em caso de dúvidas.

Comentar post

.pesquisar

 

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Poemas de Dezembro

. Poema da Angela Marques

. Poema da Ana Matos

. Poema da Margarida Turiel

. Poema da Sara Gonçalves

. Poema da Andreia Gonçalve...

. Poema do Flávio Pereira

. Poema da Joana Martinho

. Poema da Carolina Guedes

. Poemas de Novembro

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.Links