Domingo, 29 de Outubro de 2006

Classes de palavras: Os NOMES

Os nomes subclassificam-se em nomes próprios e nomes comuns.

Estes têm subclasses definidas pelas seguintes oposições:
   – nomes concretos e nomes abstra(c)tos: pedra/amor;
   – nomes contáveis e nomes não contáveis:pedra/ar;
   – nomes cole(c)tivos: multidão.
   
   A nova terminologia acrescenta que os nomes podem ainda ser classificados de acordo com as oposições:
   
   – animado/não animado: animal/porta;
   – humano/não humano: bebé/porta

Vejamos:

Rebanho é um nome coletivo e um nome comum.

É também um nome contável  (um rebanho/dois rebanhos).

Os nomes colectivos são tipicamente uma subclasse dos nomes comuns, pelo que se lhes aplica a distinção humano / não humano, bem como animado / não animado.

    Para saber se os nomes cole(c)tivos podem ser classificados como nomes concretos:
   • pensemos em nomes cole(c)tivos – bando, cardume, arquipélago, constelação, junta, pinhal, vinha, matilha, feixe, exército, elenco, cáfila, ninhada, pomar, rebanho, frota, magote, alcateia, olival, corja, chusma, caravana, malta, cacho, ... 
   • atendamos ao carácter físico, observável e localizável das entidades designadas por estes nomes: pessoas, animais, árvores, meios de transporte, astros, ilhas, ... 
    
   Concluímos, então, que os nomes cole(c)tivos apresentados são nomes concretos.

Cuidado com o género:

Masculino e feminino.

Um nome comum de dois géneros é um nome que tem dois valores de  possíveis, sendo que a escolha de um valor não tem consequências morfológicas (a palavra mantém-se inalterada independentemente do género), mas tem consequências sintácticas/sintáticas, pois este nome tem a capacidade de desencadear alterações morfológicas nas palavras que com ele concordam.
   Exemplos.: «o intérprete/a intérprete, o jurista/a jurista». 
   

Um nome sobrecomum não admite contrastes de género, nem marcados morfologicamente nem marcados sintacticamente/sintaticamente, apesar de referir entidades de um e outro sexo.

Exemplos.: «a pessoa, a criança, o indivíduo, o cônjuge, a testemunha, a estrela (de cinema)». 


Um nome epiceno designa animais e que possui apenas um género gramatical, embora possa referir animais de ambos os sexos. Exemplos: «a cobra, a águia, o jacaré, a onça, a foca». O género natural do animal a que um nome epiceno se refere pode ser resolvidpo  pela aposição de «macho» ou «fêmea» ao nome, sem concordância de género/género entre este e o elemento aposto: «uma cobra-macho, um gavião-fêmea». Por vezes, o termo «epiceno» é utilizado também para falar de nomes sobrecomuns.

 Os nomes epicenos e os sobrecomuns não têm as mesmas propriedades. Embora os dois tipos refiram nomes de entidades animadas, passíveis de distinção de sexo, os epicenos referem animais e admitem variação de género realizada por composição (cf. cobra-macho, cobra-fêmea) e os sobrecomuns referem entidades humanas e não admitem qualquer tipo de variação de género (cf. testemunha, cônjuge).

publicado por Clube às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 28 de Outubro de 2006

Descobre o canto do Sabiá ..

 

publicado por Clube às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Outubro de 2006

A Língua portuguesa ....

     A minha pátria é a língua portuguesa

          Fernando Pessoa, 1888-1935

O que eles, os alunos,  pensam da língua portuguesa usada  por ... eles próprios.

Objectivo: Consciencializar para corrigir e melhorar.

(Opiniões recolhidas a partir de respostas dadas num teste escrito)

publicado por Clube às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

Um pouco incorrecto ...

  girl with pen.gif

Os jovens tem uma linguagem muito própria: o calão. Alguns sabem distinguir quando e onde "devem" ou não utiliza-lo. Outros não conseguem e, na Escola, usam o calão como se não houvesse uma linguagem  correcta e mais apropriada. É que na escrita não é permitido o uso de tal registo de língua ...

1.  Ângela


O português falado e escrito pelos jovem é alarmante. O uso do calão leva-os deixar de falar o português correcto. Eu acho que a língua portuguesa vai mudar pouco a pouco ...

2. Teresa


Eu penso que nos telemóveis e na internet podemos escrever sem grande cuidado. No entanto, não nos devemos habituar porque quando chegamos à escola não sabemos escrever certas palavras que temos o costume de abreviar.

3. Iã


Penso que é um pouco incorrecto o modo como os jovens falam. Eles estão tão habituados a escrever como falam que o fazem nos testes, nas composições ...

4. Margarida


Eu penso que não há mal nenhum em falar e escrever como todos o fazem. O que eu acho mal é não se saber adequar às diferentes situações de comunicação. Uma coisa é um telemóvel, outra coisa é um teste ...

5. Flávio


A minha opinião sobre o modo como os jovens falam é negativa. Não concordo como eles usam o serviço de SMS dos telemóveis ... São muitas abreviaturas, calão ... Nem eu faço a mínima ideia do que querem dizer!

 6. Pedro


Eu penso que por causa dos telemóveis e outras formas de comunicação , os jovens não distinguem o correcto do incorrecto.

7. João


O modo como os jovens falam e escrevem é um pouco uma "linguagem de grupo", já que a usam com os seus amigos.

8. Mariana


O uso incorrecto da língua (calão) é errado. Desta maneira é como se estivéssemos a destruir a nossa própria língua.

9. Miguel


O português usado pelos jovens é pouco correcto, tem muito calão, palavras sem sentido, estrangeirismos ...

10. Joana


Acho mal que eles falem e escrevam  desta forma tão incorrecta: calão, abreviaturas ... O pior é que não é só ente eles. Até já escrevem dessa maneira nos testes, nos trabalhos ...

11. Diana


Os jovens, actualmente, ao trabalhar com as novas tecnologias "misturam" o oral com o escrito, dando muitos erros ortográficos.

12. Fábio


 O português dos jovens ,oral e escrito, é o calão ...

13. Karen


Os jovens confundem o oral e o escrito. Não se apercebem de certas situações ...

14. Sara


Eu acho que tanto o oral como a escrita dos jovens é normal na nossa idade. Daqui a uns anos já não falaremos assim. São fases que acabam por passar. Como outras que temos ...

15. Tânia


 Eu penso que os jovens da minha idade quando escrevem como escrevem é para quebrar a rotina de escrever tudo "certinho". Penso que só em casos excepcionais é que isso traz problemas na escola.

16. André


Sobre este tema, eu tenho a dizer que com este modo de escrita é tudo mais fácil entre nós, apesar de nas aulas de Língua Portuguesa ser tudo mais difícil .

17. Filipe


Devido ao calão, utilizado por grande parte dos jovens da minha idade, a escrita é "distorcida". À partida não se está a recorrer a uma forma correcta de comunicação.

18. Ana Raquel


publicado por Clube às 21:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.pesquisar

 

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Poemas de Dezembro

. Poema da Angela Marques

. Poema da Ana Matos

. Poema da Margarida Turiel

. Poema da Sara Gonçalves

. Poema da Andreia Gonçalve...

. Poema do Flávio Pereira

. Poema da Joana Martinho

. Poema da Carolina Guedes

. Poemas de Novembro

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.Links